Follow by Email

domingo, 12 de dezembro de 2010

O Amor não é passageiro


Às vezes fico pensando: que pensamento ela deve estar pensando, se é que em mim pensa, se sim, pensaria poder me amar, se não, não teria mais porque nela pensar, mas mesmo assim pensaria, e ao longo dos anos pensando, em mais ninguém pensaria, mesmo se em mim pensassem.

ATENÇÃO a história a seguir é verdadeira:

Em certo lugar, dois amigos, que eram amigos, ou melhor: amigo ( Patrick) e amiga(Sally); ali existia um romance obscuro, mas não obscuro de maldade, e sim de medo; ele sempre a amou, e o receio de receber um não e com a amizade acabar, o tornou fraco para lutar pelo que queria, teve diversas oportunidades, e não conseguiu, eles cresceram, e cresceram, e se tornaram adultos, um dia outro veio e tomou o lugar que ele tanto sonhara ocupar, casaram-se e tiveram uma filha.
Ele sofreu calado, por anos, ela adoeceu, morreu, a filha dela então liga para amante desgraçado, que sem pensar duas vezes corre ao hospital, chegando lá, a viu, branca como a morte, como um noite fria de inverno, seu sangue não corria mais, estava fria, gelada como o peito de seu amigo amado, sua filha então fez o que seria o ultimo desejo de sua mãe: entregar o diário dela nas mão dele.
O seu mundo desabou, suas mão estavam geladas e tremulas, correu para longe, deixando suas lagrimas pelo caminho, chegou em casa e bateu a porta, sentou-se no sofá com o diário que ainda tinha o perfume das mãos de sua amada amiga, e deixou que suas tristezas pingassem sobre ele; abriu em uma paguina que estava marca com uma rosa murcha que deveria estar ali a um bom tempo, ela marcava o dia do casamento dela, o qual ele não foi, estava escrito assim:

“20/02/1991 Querido diário meu, hoje me casarei, mas não é com este homem que quero viver o resto da minha vida, quero que entenda, não é ele o errado, mas amo outra pessoa, e por não saber se serei correspondida nunca me declarei os anos passaram, e conclui que não sentia o mesmo por mim, ele não me amava, ah se ele soubesse como eu o amo, se você soubesse meu amigo, meu amado Patrick”

• Os nomes são fictícios.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Parabens, você escreve de uma forma exemplar.
    Seus textos são muito bonitos...

    Deixo aqui tambem meu blog caso queira visitar

    http://terapia-familia.blogspot.com

    .

    ResponderExcluir
  3. Oi guri...fiquei feliz de ver alguém que domina tanto as palavras...que consegue transmitir...sentimento...emoção...enfim um verdadeiro artesão de letras...parabéns!!bjinhusssssss

    ResponderExcluir
  4. Que profundo... Perfeito e triste demais...

    ResponderExcluir