Follow by Email

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Divagando em mim


Eu fecho os olhos, para ver o mundo que desejo, e abro a mente para imaginar o que realmente quero, vou caminhando pelo vale das criações, e me deparo com a inovações que criei, paro um minuto para admira-las, mas não temos tempo para isto, minha viajem é curta, tenho que ter passos objetivos, a qualquer momento posso ser acordado deste pseudo-sonho,
Então corro até onde deveriam estar minhas emoções, e me assusto, a luz estava apagada, quando consegui acende-la reparo não há mais nada, nem amor, nem dor, algumas vagas lembranças e um envelope, olho com desdém para ele e o abro vagarosamente, porem sem esperar grandes surpresas, afinal não seria maior do que a que tive, ao ver a falta de sentimentos.Segurei ela com firmeza, e, delicadamente a abri, era uma folha de papel, havia alguns rabiscos de crianças, uma data antiga, e uma frase escrita em letras toscas “ O amor é a dor de estarmos acorrentados a alguém, e a aposta em sentimentos que não conhecemos, se tiver medo da dor, nunca saberá o que é o amor, será vazio!”

8 comentários:

  1. Lindo,e ao mesmo tempo real,as vezes não damos importancia as coisas simples da vida,temos medo de amar.
    Temos que recomeçar para ser feliz.
    Bjs Angela

    ResponderExcluir
  2. Muito profundo....nos faz parar para pensar no que sentimos. Adorei!
    Te Amoo!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo texto! Excelente!

    To seguindo!

    ResponderExcluir
  4. Maravilhoso!!!! Quando entro em seu blog o dia fica mais bonito e alegre!!!
    Parabens...

    ResponderExcluir
  5. Adorei ! sucesso aqui no blog, parabéns (=

    ResponderExcluir